Home Tags Tags do post "perenialls"

perenialls

0 228

Particularmente, eu adoro uma boa refeição. Amo comer bem, sentar numa mesa bonita e bem posta, com uma ótima companhia ao lado, num ambiente agradável, tocando uma boa música de fundo… Hmmm, esse é o tipo de momento especial que costumo preservar na minha vida há muito tempo.

Sinto que o prazer de degustar todo e qualquer alimento não é uma tarefa simples, pois requer uma entrega de quem está vivendo o momento e da mesma forma, de quem o preparou. Me recordo quando os alimentos congelados chegaram na cozinha da minha casa há muitos anos atrás… Talvez vocês também se recordem deste momento nas vidas de vocês, pois foi uma grande mudança para o mundo gastronômico e com certeza para a evolução da sociedade.

No entanto, eu como uma boa Ageless, sinto que com o mundo mudando tantas vezes nós tivemos de adaptar as nossas rotinas atribuladas com a praticidade do dia a dia, levando-nos assim a perdermos um pouco do “savoir-faire” de uma boa refeição. Com isso, não apenas o alimento orgânico ou natural começou a deixar de estar presente em nossas dispensas, mas o modo como encaramos a vida também se modificou.

Entendo que saúde e boa alimentação nem sempre foram encaradas como sinônimos, no entanto, certos hábitos alimentares modernos nos fizeram atentar ao que estamos consumimos como alimento, afinal, a nossa saúde é uma riqueza que muitas vezes não conseguimos mensurar toda a sua importância até atingirmos determinadas idades onde o corpo começa a carecer dela. Por isso, eu afirmo que o prazer de uma refeição precisa estar atrelada aos cuidados necessários do preparo do alimento, da escolha dos ingredientes, de como os consumimos e com a velocidade em que nos relacionamos com ele. Comer faz muito bem, porque não alimenta apenas o corpo, alimenta também a nossa alma.

Será que o quê vocês estão consumindo ultimamente é algo saudável? Que tipo de alimento estão alimentando as mentes, os corpos e a alma de vocês? Certos hábitos podem ser alterados e regulados para o nosso bem! Assistam este TED com a palestra do Kau Mascarenhas, ela é bem especial e pode ajudar você a começar a se alimentar melhor (seja de informação, de vida, ou de alegria).  

0 226

Envelhecer não foi um problema para mim, vocês sabem. Sempre fui muito ativa e muito disposta a receber o novo, sinto que abracei o tempo (e com ele todas as vivências que tive a oportunidade de viver) com imensa gratidão e muito amor. Talvez seja um olhar um tanto quanto romântico da minha parte, mas sei também que não sou a realidade de toda a geração Ageless.

Muitos homens e mulheres têm dificuldade em aceitar as mudanças que o tempo apresenta para nós, não recebendo e nem reconhecendo suas atualizações físicas, materiais ou comportamentais. Tenho observado através dos meus estudos geracionais sobre a minha geração, que muitas pessoas ainda encontram dificuldades na aceitação do que seria por “básico” na segunda década do século XXI,  como o computador, os meios digitais e todas as suas plataformas, os smartphones, entre outras ferramentas… Acontece, que não podemos encarar mais o mundo como se ele estivesse girando ao nosso entorno, esperando por nós e aguardando o nosso tempo de aceitação com as coisas, entregando para o amanhã este compromisso. Por isso eu afirmo: essa espera pelo nosso “momento” precisa acabar. O amanhã já começou!  

Precisamos estar receptivos ao novo; Precisamos aceitar os novos meios de interação e de comunicação, procurando nos adaptar ao novo mundo (que não é apenas digital, mas sim, com a crossmedia que se instaurou no tempo). Sei que muitos de nós procuram cursos para se inteirar dessas novas ferramentas, alguns pedem para os netos/sobrinhos/pessoas mais jovens e próximas que os ensinem e os apresentem o seu mundo para quem já viveu em outra era.

Por isso, faço um apelo àqueles que ensinam e que se colocam a disposição para orientar essa geração: tenham sempre muita paciência. Nós, enquanto adultos mais “maduros“, não temos o mesmo gás que os jovens da geração Z têm. Mas temos tantas histórias e tantas vivências que nos permitem maturar o conhecimento e nos colocarmos em posição de aprendiz. O mundo pode realmente ser outro no agora, mas nós ainda fazemos parte dele. Logo, estamos vivos e precisamos nos sentir ainda imersos nesse sentimento. Portanto, não esperemos pelo mundo do ontem no agora, precisamos entender que já estamos no futuro-do-presente.

Como você se encara? Se sente imerso nas novas tecnologias?
Conta para mim!